Jogos de Sons, Escrita + Série Rosa para leitura 💞💞💞💕💕💕💗💗💗

A Série Rosa
A série rosa é um material de leitura inicial para crianças, quando elas já vão conhecendo algumas letras e sabem associar corretamente letras e seus sons.
Não é um material usado, por exemplo, no Brasil, e a própria Maria Montessori não usou, sendo uma invenção posterior, descoberta e usada principalmente nas escolas Montessori dos Estados Unidos da América.

Para Maria Montessori, não era um material necessário porque ela tinha profunda fé na criança, no período sensível da escrita, nos materiais, na influência das outras crianças na sala Montessori nos mais pequenos para despertar o interesse e na própria explosão da leitura da criança.

Bem, então porque fiz uma série rosa?
Boa pergunta! Lol! Bem, talvez porque estava com receio de perder mais um período sensível aqui em casa quando há pouco tempo para realmente ajudá-los nesses períodos. Talvez porque, em casa, não existe o mesmo ambiente duma escola Montessori e por isso deva haver algum material extra que ajude e sim, estimule a curiosidade. Provavelmente porque tenho a intenção de vir a usá-lo na escola com os meus alunos do 1o ano e crianças com dificuldades de aprendizagem (sendo que já não estão na fase sensível, mas não deixa de ser um excelente e bem construído material de aprendizagem).
Porque eu própria andava a investigar palavras com 3 letras em português há 3 anos atrás e nunca tinha chegado a conseguir ter vontade de as compilar num trabalho assim.
Seja como for, comecei este trabalho no início da quarentena, porque vejo florescer o interesse por letras cá em casa e, lá está, não quero perder mais períodos sensíveis.

Bem, aqui está ela:

Basicamente, são um conjunto de jogos que a criança pode usar para treinar a leitura, quando se encontra num período sensível de explosão da leitura (após explosão da escrita, cerca de 6 meses depois desta, segundo Maria Montessori no seu livro “A Criança”).

Um jogo de pareamento imagem – palavra. Podem ver um vídeo explicativo da Sylvie D’Esclaibes aqui: https://www.youtube.com/watch?v=OFnDQrs6_44
Um bingo de palavras para associar. Eu utilizei velcro porque os miúdos adoram 🙂 Mas não é obrigatório.
Listas de palavras para ler. Tentei criar algum tipo de associações entre elas para ajudar a promover a autonomia e ao mesmo tempo serem adequadas a esta 1a fase de leitura. 
Os livros de palavras. Na minha formação de Assistente Montessori foi referida como este material motiva a criança para a leitura, pois no fim podemos dizer-lhe: “Vês? Acabaste de ler o teu 1o livro!!!” – bem, só posso imaginar a alegria que deve sentir a criança 🙂 <3
Ainda não me sinto 100 por cento feliz com ele. Foi uma 1a criação, depois de passar quase 3 anos a pensar nele… Tenho testá-lo e descobrir se esta ordem faz sentido ou não. Pode até nem sequer ser necessário! Mas, de qualquer forma, aqui está ele para quem precisar 🙂 ♥️
Em breve tereei aqui também as séries azul e verde! https://www.youtube.com/watch?v=7L3HqRrfAE8
Mas..
…vamos aos poucos, que aqui por casa ainda estamos em jogos de sons e na apresentação de letras de lixa!
Jogos de Sons
Antes dos jogos de sons de letras, a criança deve trabalhar, na fase ainda de pareamentos, o pareamento de sons. Para tal, Maria Montessori criou um jogo muito simples para tal efeito: os cilindros de sons.
Por aqui fizemos uns DIY com garrafas de iogurte.
Lá dentro coloca-se a mesma quantidade de diferentes materiais que façam sons iguais.
No nosso caso, usamos:
Umas bolinhas de metal (colocamos 5 numa garrafa azul e outra 5 numa garrafa vermelha, para ser possível o pareamento), dois guizos (um para cada garrafa) e arroz (a mesma quantidade para cada garrafa).
Assim obtém-se sons iguais para pareamento. Depois é agitar e descobrir os pares. 
Para autocontrolo, todos os pares têm símbolos diferentes em baixo. Neste caso, estes têm um círculo:
Os 1os Jogos de Sons de letras trabalham-se mesmo na Oralidade. Podem saber um pouco mais aqui.
No entanto, gostamos de associar brinquedos aos mesmos.
(atualização posterior – no Curso de Alfabetização Montessori de 29, 30 e 31 de maio de 2020, Gabriel Salomão sugeriu usar 4 objetos e fazer algo como “Vejo na minha mão um objeto começado pelo som c” – isto em frente da criança, e ela vendo o objeto na nossa mão. A criança vai dizer “Caixa!” – ao fazer este jogo, que é a 1º fase do jogo dos sons, a criança poderá descobrir ela, numa forma de jogo divertido para ela, a relação entre os sons sem necessitar que o adulto “ensine” algo, como sugeri no meu 1º post sobre o assunto. Para mim faz muito mais sentido!!! 🙂 Façam o curso de Alfabetização Montessori do Gabriel do Lar Montessori!)
Este vídeo da Sylvie D’Esclaibes também está muito elucidativo: https://www.youtube.com/watch?v=MJnWUpaZoac
Também podemos fazer um saco mistério com miniaturas e pedir à criança que identifique o som inicial dos objetos que saem do saco.
Outro jogo é o “Vejo, vejo”, uma tradução que me fez sentido para o jogo “I Spy”, posterior ao uso de objetos para ajudar a criar a ligação entre o objeto e o som,
“Vejo, vejo aqui na cozinha, um objeto cujo nome começa pelo som ccc” – “Colher!” – dei este exemplo porque fazemos muitas vezes este jogo na cozinha e aproveitamos para trabalhar o vocabulário relacionado com a mesma 🙂
As Letras de Lixa

Posterior ao domínio, pela criança, de sons iniciais, finais e intermédios das palavras.
Demonstra-se à criança como passar o indicador e o anelar sobre a letra e diz-se o som da letra. Convida-se a criança a repetir. Podem ver aqui como: https://www.youtube.com/watch?v=qLGrUrgnDyQ

Para acrescentar interesse, pode-se associar um tabuleiro de areia para a criança repetir a letra no mesmo, mas tal não é essencial.
O que se pretende é que repita o movimento na letra de lixa as vezes suficientes para que se “imprima” nos seus músculos o desenho da letra. Maria Montessori criou as letras de lixa exatamente com esse intuito.

Também se pode convidar a criança a fazer as letras na terra, na areia da praia, na farinha, tabuleiro de sal… Ela pode não fazer corretamente desde o início, mas não faz mal. Nem se deve corrigir. Convém lembrar que em Montessori não se corrige a criança, mas permite-se a repetição da atividade as vezes que a criança deseje (pois a mesma encontra-se na fase do maior esforço e por isso tenderá a repetir muito, se estiver num período sensível e com interesse nesta descoberta).

Pequeno à parte: Rendi-me às letras com purpurinas do blog Creciendo con Montessori aqui, porque as que fiz quando o meu pequeno era bebé foram feitas com lixa muito rugosa (na altura pouco sabia sobre Montessori e sobre a criança :p ), e talvez por isso não estavam a fazer o devido efeito.
Depois porque, estando ele com quase 5 anos, começa a ultrapassar a fase sensível da sensibilidade sensorial com a ponta dos dedos e as mesmas podem já não fazer efeito. Assim, o brilho das purpurinas sempre acrescentam outro ponto de interesse!
Ele anda interessado nelas, mais agora que a mana de 2 anos e meio, em plena fase sensível da Linguagem, se junta aos Jogos de Sons e também revela interesse pelas letras de lixa. Além disso, espero que ajudem também a resolver alguns problemas de dicção que ele tem para alguns sons.
Os Encaixes Metálicos
Têm como objetivo ajudar à formação da pega do lápis. Antes deles, a criança já terá feito outras atividades Sensoriais, Artísticas e de Vida Prática que contribuíram para que este material seja possível de usar.
Basicamente, a criança deve escolher 3 lápis de cores diferentes.
Depois, escolhe uma cor e contorna a forma rosa por dentro. De seguida, escolhe outra cor, coloca a forma azul sobre a figura que desenhou e passa com o lápis em volta. E por fim, pega na 3a cor, de volta usa a forma rosa e volta a traças.
Ficará assim com a mesma forma com 3 cores diferentes que por vezes se sobrepõe e outras não.
Quando este exercício estiver dominado, há muitas variações seguintes que continuam a alimentar a manipulação do lápis e o controle dos movimentos completados, claro, também com atividades Sensoriais, de Vida Prática, Artísticas ….

Associações de sons e letras
Aqui fazemos a associação de objetos de que a criança já conhece e distingue o som inicial à letra de lixa respetiva, reforçando o seu som.
Numa 1a fase, os objetos de ligação às vogais deve ter mesmo o seu som aberto.
A – alce, alho, águia.
Aqui, associamos as letras do alfabeto móvel aos sons e letras de lixa 🙂 
Mais um vídeo da Sylvie D’Esclaibes elucidativo desta fase: https://www.youtube.com/watch?v=BEIHKrcaKHY
As gavetinhas fazem parte dum móvel de ferramentas adaptado para conter objetos com sons iniciais semelhantes. Deveria ser com uma base fonética (em que objetos que começam com o mesmo som, independentemente da sua letra inicial, ficam juntos – exemplo: caixa, queijo e karaté ficariam juntas, porque todas começam com o som (c)), mas por cá fiz assim ao início e assim ficou. 
É um material que eles adoram pois nota-se a sensibilidade aos objetos pequenos (principalmente na pequena de 2 anos), e depois eles vão percebendo a que gavetinha fica cada objeto, associando inconscientemente à letra que se encontra na gaveta (e criando relações). Claro que sempre que um deles lá vai, eu tenho de ir a seguir certificar-me que os objetos se mantém nas gavetas certas! Mas ele, por norma, já sabe e corrige o que a irmã baralhou. Se não tem a certeza, pergunta 🙂
Passo seguinte será escrever com o alfabeto móvel: https://www.youtube.com/watch?v=4yk6aWjA8S4
A partir dessa fase, a criança transita de uma escrita espontânea para a leitura espontênea, e é aí que entrará a série rosa! <3
E por fim, como fiz e ainda faço para despoletar o interesse pela letra manuscrita em vez de letra de imprensa:
Tenho andado a ler muito Maria Montessori de novo. Ela fala deste processo de escrita e depois leitura em livros como “A Criança”, “Mente Absorvente”, “Pedagogia Científica”. Também a Paula Lillard no seu livro “Método Montessori – uma introdução a Educadores e Pais” tem um capítulo sobre o mesmo tema e eu tenho ido beber a esses livros.
Basicamente, a criança aprende com aquilo que nos vê fazer. Daí que fazemos tantas apresentações de materiais desde que eles são bebés, não é? Mas não é só. Em casa eles vêem-nos e repetem o que fazemos.
Então, basicamente, comecei a escrever mais, muito mais à beira deles. Numa escola Montessori guias e assistentes passam imenso tempo a escrever à mão os comportamentos que assistem nas crianças, para saberem quais são os passos seguintes a dar. 
Então, estou a tentar reproduzir isso. Graças a isso também comecei a fazer mais observações escritas, algo que não me era possível com a pequena bebè. Mas ela está a crescer e ela própria já acha interessante ver-me escrever e tenta reproduzir 🙂
Bem, entre isso, escrever papelinhos com o nome de objetos da casa e dar-lhes para eles irem colar nos sítios certos, tudo tem contribuído para aumentar o interesse.
Queria também ter livros com histórias em manuscrita. Esse será um próximo passo, nem que seja eu a fazê-los 🙂 :p
Estes aqui são um bom exemplo, pena que só existam noutras línguas…

ATUALIZAÇÃO: Se quiserem a série rosa com as cores das letras invertidas e/ou com letra de imprensa minúscula ou maiúscula, aqui têm uma atualização desta série!!! Boas explorações!
♥️♥️💗💗💕💕💕🌹💕💕💕💗💗♥️♥️

0 Thoughts to “Jogos de Sons, Escrita + Série Rosa para leitura 💞💞💞💕💕💕💗💗💗”

  1. A tua dedicação é absolutamente incrível e inspiradora!

  2. Adoro seguir este blog ❤️ obrigada!

  3. Parabéns pelo trabalho desenvolvido.
    No meu primeiro curso, Educadora de infância, usávamos a pedagogia de Maria Montessori. Tínhamos que construir o material que relembrei agora ( identificação de sons, de cheiros, as letras manuscritas minúscula/maiúsculas em lixa. Cada letra numa placa em madeira e dentro de duas linhas. Lembro me de no terceiro ano, fazer quinzenalmente um teste sobre um livro de termos um livro da M. Montessori. O livro ainda o tenho após 35 anos de ter terminado o curso. Confesso que na altura cansei me um pouco desta pedagogia.
    Hoje, na minha prática pedagógica utilizo muitos recursos que ficaram dessa altura. Lembrei me agora da "lição dos três tempos".
    Sinceramente, gostei do trabalho, pesquisa, formação que fez.

Leave a Comment